• Jonathan dos Santos

Alérgico à penicilina? O melhor é confirmar!

Achar erradamente que é alérgico à penicilina pode sair-lhe muito caro. Saiba porquê e o que fazer.


É muito frequente ouvir-se que se é alérgico à penicilina, no entanto são poucos os casos com esta alergia confirmada, estimando-se que haja muitos falsos alérgicos. A penicilina e os seus derivados, como por exemplo a amoxicilina, são os antibióticos de primeira escolha na maioria das infeções bacterianas.


O médico, quando tenciona prescrever um antibiótico, tem em conta as alergias que o doente alega ter. Se a penicilina for um deles, será prescrito um antibiótico alternativo, o que pode dificultar o tratamento, sujeita a efeitos secundários desses medicamentos, aumenta a resistência aos antibióticos, motiva a internamentos desnecessários e aumenta os custos do doente e do Serviço Nacional de Saúde.

Adicionalmente, na fase da vacinação contra a COVID-19 também se tem levantado esta questão.


Confira as principais questões e respostas relativas a este assunto.


Quantas pessoas são alérgicas?

Estima-se que apenas 5% sejam comprovadamente alérgicos.


Quem é alérgico à penicilina, pode deixar de o ser?

Com o passar do tempo, pode ocorrer uma perda de sensibilização e consequentemente ver a alergia resolvida.


Como confirmar se é alérgico à penicilina?

Recorra a uma consulta de imunoalergologia. Pode solicitar ao seu médico de família uma referenciação a esta consulta do hospital da sua área de residência.


Porque é tão importante confirmar a alergia à penicilina?

Porque a penicilina e os seus derivados, como a amoxicilina, são os primeiros a serem escolhidos na maioria das infeções, sejam elas respiratórias, cutâneas ou dentárias.


Se não tiver a certeza que é alérgico à penicilina, o melhor é confirmar, uma vez que poderá beneficiar deste medicamento ou dos seus derivados. Recorra a uma consulta médica de imunoalergologia ou solicite uma referenciação pelo seu médico de família.

12 visualizações0 comentário